Arquivos do Blog

Construtoras focam em imóveis sob medida

Projetos incluem casas e apartamentos com lazer e segurança. Financiamento pode chegar a 35 anos e o FGTS pode ser usado

Rio – Cada vez mais construtoras investem em projetos imobiliários enxutos, mantendo a qualidade do acabamento e itens como segurança e lazer. Isso tudo na medida certa para garantir que os proprietários não estourem o orçamento com o condomínio e a prestação do financiamento, quando estiverem morando.

As opções incluem apartamentos e casas, em média, com 60 metros quadrados e em bairros como Taquara, Tomás Coelho, Engenho Novo, Del Castilho e Campo Grande, além dos municípios de Nova Iguaçu, Macaé, Mangaratiba e São Gonçalo.

Casa dúplex decorada, do Fiori, em Campo Grande, tem lazer completo | Foto: Divulgação

Casa dúplex decorada, do Fiori, em Campo Grande, tem lazer completo | Foto: Divulgação

As oportunidades contam com imóveis dentro e fora do programa habitacional ‘Minha Casa, Minha Vida’. As unidades podem ser financiadas em até 35 anos e o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) poderá ser usado, desde que o trabalhador se encaixe nas regras para saque. Os preços são a partir de R$ 115 mil.

“O conceito de apartamentos sob medida permite que famílias tenham a oportunidade de adquirir o imóvel próprio sem preocupações, sem perder o conforto. Nesse cenário, como o ‘Minha Casa, Minha Vida’, que permite a compra com juros mais baixos, todos podem ter a oportunidade de ter a casa própria com o máximo de lazer”, explica Leonardo Mesquita, diretor de Negócios da Cury Construtora no Rio.

Fachada do condomínio Completo Zona Norte, da Cury, que terá 279 apartamentos e itens de lazer como salão de festas, piscinas adulto e infantil | Foto: Divulgação

Fachada do condomínio Completo Zona Norte, da Cury, que terá 279 apartamentos e itens de lazer como salão de festas, piscinas adulto e infantil | Foto: Divulgação

A empresa tem 1.182 unidades pelo programa em vários bairros da cidade do Rio, como Engenho Novo e Tomás Coelho, e no município de São Gonçalo.

Mangaratiba e Macaé têm unidades

A Brookfield e a João Fortes também adotaram o conceito. Elas oferecem empreendimentos em Sahy, em Mangaratiba, e em Macaé. A Brookfield já lançou 1.767 unidades em Sahy, desde 2009. Desse total, apenas 424 estão disponíveis, com preços a partir de R$ 100 mil. Os condomínios contam com áreas de lazer próprias.

Já construtora João Fortes lançou a segunda fase do Residencial Brisa do Vale, pelo ‘Minha Casa, Minha Vida’, em parceria com a Prefeitura de Macaé. São 496 unidades dois quartos com ou sem suíte.

Campo Grande está em alta

Campo Grande é um dos bairros que reúnem vários projetos imobiliários com este conceito de residência sob medida. Construtoras como a Celta e a Fernandes Araujo oferecem empreendimentos que contam com imóveis de qualidade, lazer completo e segurança.

 Lazer do Riviera Premium, da Celta, em Campo Grande. Condomínio terá apartamentos de dois quartos com suíte | Foto: Divulgação


Lazer do Riviera Premium, da Celta, em Campo Grande. Condomínio terá apartamentos de dois quartos com suíte | Foto: Divulgação

O Riviera Premium Residences, da Celta Engenharia, por exemplo, tem 216 unidades. Preços a partir de R$ 199 mil. Serão apartamentos de dois quartos com suíte. O condomínio será construído na Av. Cesário de Melo 4.077.

Já a Fernandes Araujo acaba de lançar o Fiori Residências. Condomínio de casas dúplex com jardim e churrasqueira exclusivos, além da completa área de lazer. Os dois empreendimentos contam com financiamento da Caixa.

Zona Sul e Barra mantêm conceito de condomínios

Algumas regiões do Rio estão recebendo vários investimentos em infraestrutura por conta dos grandes eventos que a cidade sediará (Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016) e, por isso, têm atraído projetos imobiliários que se tornam viáveis para a nova classe média.

“O Rio está passando por um momento bastante peculiar, recebendo grandes eventos mundiais, que trazem investimentos maciços para a cidade. Nesse contexto e com o aumento do poder aquisitivo da população, novas áreas se valorizaram e vimos grandes oportunidades em lançar empreendimentos em regiões pouco exploradas”, explica Marcos Saceanu, diretor de incorporação da PDG Rio.

O objetivo da construtora é oferecer empreendimentos com a qualidade e conforto de imóveis da Zona Sul e Barra, mas com um preço mais acessível. “Os empreendimentos atraem não somente os moradores da região, que ganham uma opção de luxo no lugar onde já moram, mas também investidores que acreditam na valorização desses empreendimentos”, conclui Saceanu. Há unidades prontas em Campo Grande, com entrada de 15%, sem juros e o restante pode ser pago em até 120 meses, com mensais a partir de R$ 974.

Fonte: http://odia.ig.com.br/portal/imoveis/construtoras-focam-em-im%C3%B3veis-sob-medida-1.521855Z

Anúncios

Investimento imobiliário será arma contra inflação em 2013

Para banco, investimento no mercado de imóveis oferece proteção contra a inflação dos serviços, a mais preocupante para os poupadores

Imagem

Centro do Rio de Janeiro: área com muita demanda e pouca oferta de imóveis.

Centro do Rio de Janeiro: área com muita demanda e pouca oferta de imóveis
São Paulo – O mercado espera que a inflação pelo IPCA feche o ano em 5,43%, mas a inflação que mais deve preocupar os poupadores não é esta, mas a inflação dos serviços. Estudo encomendado pelo Banco Máxima à consultoria MB Associados prevê que a inflação de serviços deve fechar o ano em 8%, e 2013, em 9%. Como proteger o dinheiro de uma corrosão tão grande? A resposta, para o banco, está nos investimentos lastreados em imóveis.

A principal delas são os fundos imobiliários, fundos com cotas negociadas em Bolsa que investem em imóveis corporativos como shopping centers, prédios de escritórios e galpões industriais. Aqueles que buscam obter renda com o aluguel normalmente têm seus contratos corrigidos pelo IGP-M. “O IGP-M capta melhor a inflação dos serviços do que o IPCA, que é um índice muito mais voltado para os produtos”, diz o agente autônomo Arthur Vieira de Moraes, especialista em fundos imobiliários.

Além disso, os aluguéis advindos de fundos imobiliários são isentos de IR para a pessoa física, o que incrementa ainda mais a rentabilidade. Apenas o ganho de capital com a venda das cotas em Bolsa é tributado. “A demanda por fundos imobiliários está alta. Este investimento deve dar a tônica para 2013 e 2014”, observa Claudia Martinez, diretora comercial do Banco Máxima. Ela lembra ainda que, além da correção pelo IGP-M, aluguéis são revisados para cima de tempos em tempos, dependendo do aquecimento do mercado.

O banco já tem um fundo totalmente vendido, o Máxima Renda Corporativa, que deve estrear na Bolsa no início de 2013, e outro que ainda será formatado e aberto para captação no ano que vem. Ambos investem em diferentes partes do Edifício Sloper, no Centro do Rio de Janeiro, cuja locatária, a varejista Leader Magazine, tem 70% do seu capital nas mãos do BTG Pactual.

Papéis com lastro em imóveis

No mercado imobiliário, há ainda duas outras opções isentas de IR. As Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e os Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI). As primeiras são garantidas pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) no valor de até 70.000 reais, o que significa que aplicações até esse valor são reembolsadas ao investidor em caso de quebra do banco emissor do papel.

As CRIs, que costumam ter valor de face maior e ser destinadas a investidores qualificados (que tem mais de 300.000 reais em aplicações financeiras) não contam com essa proteção, mas têm lastro em imóveis, que funcionam como sua garantia. Embora o pequeno investidor geralmente não tenha acesso a esse tipo de papel, existem fundos imobiliários especializados em investir em CRIs e LCIs, ou seja, apenas em papéis, não em imóveis físicos. Os rendimentos desses fundos também são isentos de IR.

Muitas CRIs remuneram uma taxa de juros prefixada mais a inflação para o IGP-M, o que é bastante interessante para o investidor que tem acesso a elas ou o cotista de fundos que aplicam nesses papéis, ao menos em termos de rentabilidade. As LCIs, porém, costumam ser pós-fixadas, isto é, remunerar um percentual do CDI.

No Banco Máxima é possível obter LCIs que paguem entre 91% e 100% do CDI para prazos entre 60 dias e um ano, totalmente isentos de IR. Uma LCI que pague 91% do CDI equivale a um CDB que pague 117,4% do CDI, de acordo com o banco.

Cuidados com os fundos imobiliários

Tanto os fundos imobiliários de aluguéis quanto aqueles que investem em recebíveis imobiliários – notadamente as CRIs – podem oferecer uma boa proteção contra a alta inflação que atinge o poupador. No entanto, convém ter alguns cuidados. Em primeiro lugar, prefira os fundos cujos contratos de aluguel são corrigidos pelo IGP-M ou que invistam em CRIs que paguem um percentual mais IGP-M, a fim de incorporar melhor a correção pela inflação. “Fundos cujos contratos são reajustados pelo IPCA podem, portanto, não ser a melhor opção”, diz Arthur Vieira de Moraes.

Além disso, um estudo publicado recentemente pela consultoria Colliers mostrou que o mercado de escritórios de alto padrão deve atingir a saturação na cidade de São Paulo já em 2013, uma vez que já houve um grande aumento da oferta desse tipo de imóvel em 2012 e haverá novas entregas no ano que vem.

“É bom acender a luz amarela com os fundos que investem nesse tipo de imóvel. O mercado até que absorveu bem os imóveis entregues em 2012, atingindo um equilíbrio, com uma taxa de vacância normal, entre 5% e 6%. Mas a demanda teria que manter o ritmo. Se o crescimento do país estagnar ou se houver recessão, a vacância vai aumentar e os aluguéis vão estagnar ou até cair. No mercado de escritórios, não deve mais haver muitos reajustes de preços. O gestor que conseguir manter o valor do aluguel já vai se dar bem”, explica Moraes.

Uma esperança é o fato de que São Paulo e Rio continuam atraindo capital estrangeiro. No caso da capital fluminense, a demanda deve continuar forte, principalmente nas áreas mais badaladas e com menos espaço para construir, como Centro, Copacabana e o eixo Ipanema-Leblon. Os eventos esportivos que a cidade vai sediar, bem como projetos como o Porto Maravilha, contribuem para valorizar a cidade que, segundo a Colliers, só deve entrar em estágio de superoferta em 2015.

“O Rio tem pouco espaço para construir e muitos prédios antigos nas regiões mais desejadas. Empresas que precisam de mais infraestrutura têm uma oferta pequena de imóveis e há muito espaço para readequar esses edifícios por meio do retrofit. Só tem que tomar cuidado com a Barra da Tijuca, que é um bairro com alta vacância e onde ainda há muito espaço para construir”, diz Vieira de Moraes, que lembra que em São Paulo, o equivalente à Barra seria Alphaville, que também demanda cuidado em função do aumento de vacância.

Para ele, como a renda do brasileiro continua crescendo, os imóveis ligados ao consumo, como os shopping centers e os galpões logísticos, têm boas perspectivas. Mas estes últimos também demandam cuidado. “Também houve alguma especulação e bastante entrega no mercado de galpões. Nem tudo está sendo absorvido”, observa.

 

Fonte: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/imoveis/noticias/investimento-imobiliario-sera-arma-contra-inflacao-em-2013?page=1