Arquivos do Blog

O rei dos imóveis nos EUA escolhe o Brasil como alvo

O americano Stephen Ross é o empresário que mais ganhou dinheiro com imóveis nos Estados Unidos. Ele falou a EXAME sobre seu mais recente alvo — o Brasil

size_590_Stephen-Ross

 

São Paulo – Sujeitos excêntricos fizeram fortuna no mercado imobiliário americano nas últimas décadas. O empresário Donald Trump é presidente da incorporadora herdada do pai, mas ficou mais conhecido por seus casos extraconjugais, por ter sido protagonista de um programa de TV, por ser um eterno candidato fanfarrão à Presidência e por ter quebrado um punhado de vezes.

Outro exemplo é o investidor Sam Zell, que, aos 71 anos, é o líder de um grupo de motoqueiros chamado Zell’s Angels, que organiza viagens de moto pelo mundo. Quem mais ganhou dinheiro nesse mercado, porém, foi um empresário bem mais convencional e discreto, o americano Stephen Ross.

Com uma fortuna estimada em 4,4 bilhões de dólares, Ross comanda a incorporadora Related, que é dona de 20 bilhões de dólares em imóveis nos Estados Unidos. É, hoje, a maior proprietária de prédios para locação em Nova York — tem quase 18 000 apartamentos e 2,6 milhões de metros quadrados de escritórios e lojas.

Como seus colegas menos convencionais, Ross decidiu que é hora de construir no Brasil. “Ainda há muito espaço para investir no mercado brasileiro, principalmente no segmento de luxo”, disse ele a EXAME.

Formado em direito pela Universidade de Michigan em 1962, Ross começou a trabalhar como advogado tributarista em Detroit, onde nasceu, mas desistiu da carreira em pouco tempo. Nos anos 70, mudou-se para Nova York para tentar a sorte em Wall Street. Foi demitido do primeiro emprego, no banco Bear Stearns, e decidiu mudar de novo.

Pegou um empréstimo de 10 000 dólares com a mãe e investiu na construção de casas populares nos subúrbios de Nova York. Na época, a vantagem desse tipo de imóvel é que havia financiamento de sobra, subsidiado pelo governo.

Fez fortuna aí, mas ganhou notoriedade depois que resolveu lançar grandes projetos imobiliários, como o Time Warner Center, que reúne prédios residenciais, comerciais e um shopping em Manhattan. Hoje, a Related coordena a construção do maior empreendimento de Nova York, que ocupará uma área equivalente a dez campos de futebol e deve levar, numa estimativa conservadora, dez anos para ficar pronto.

Batizado de Hudson Yards e orçado em 12 bilhões de dólares, está sendo construí­do numa região desvalorizada no lado oeste da ilha — que a prefeitura vinha tentando revitalizar há tempos, sem sucesso.

A Related fechou um acordo camarada com o prefeito Michael Bloomberg, que prometeu inaugurar uma estação de metrô ao lado do complexo e permitiu a Ross fazer um empreendimento três vezes maior que o original. “Vamos criar um novo bairro na cidade”, diz Ross.

Enquanto constrói seu bairro em Manhattan, Ross está em plena expansão internacional. O objetivo é ganhar dinheiro em mercados onde a demanda por imóveis ainda cresce de forma acelerada, ao contrário do que ocorre nos Estados Unidos.

Desde 2011, lançou empreendimentos em locais como Argentina, China, Emirados Árabes, Índia e México. Agora, segundo ele, sua maior aposta é o Brasil. Em 2012, a Related abriu um escritório em São Paulo. Os projetos começam a sair do papel.

Alta renda

Ross afirma ter separado 600 milhões de dólares para investir no país nos próximos três anos (a empresa de Sam Zell aplicou 1 bilhão de dólares aqui em 14 anos).

O primeiro lançamento da Related no mercado local está previsto para junho: um edifício residencial em São Paulo, próximo à avenida Brigadeiro Faria Lima, com apartamentos de 40 a 70 metros quadrados, bem ao estilo nova-iorquino — com prédios repletos de serviços e próximos ao local de trabalho.

O plano inicial é cobrar 18 000 reais por metro quadrado. “É o preço. Apostamos em quem está disposto a trocar tamanho por localização”, diz Daniel Citron, presidente da Related no Brasil. O alvo seguinte é o Rio de Janeiro.

Ainda que suas maiores apostas estejam no setor imobiliário, Ross começou a diversificar depois da crise de 2008 (ele estava levantando recursos para o Hudson Yards na época e corria o risco de perder o projeto). Nos Estados Unidos, é dono do time de futebol Miami Dolphins e da rede de academias Equinox, voltada para a classe A.

No ano passado, criou a RSE Ventures, empresa de marketing esportivo e organização de shows e jogos. Seu plano é trazer a academia e a RSE para o Brasil no futuro. Faz sentido colocar dinheiro no Brasil agora, após a disparada recente no preço dos imóveis? “Ruim seria entrar quando todo mundo já comprou os imóveis que tinha para comprar”, diz ele. “E isso não aconteceu.”

Anúncios

Construtoras focam em imóveis sob medida

Projetos incluem casas e apartamentos com lazer e segurança. Financiamento pode chegar a 35 anos e o FGTS pode ser usado

Rio – Cada vez mais construtoras investem em projetos imobiliários enxutos, mantendo a qualidade do acabamento e itens como segurança e lazer. Isso tudo na medida certa para garantir que os proprietários não estourem o orçamento com o condomínio e a prestação do financiamento, quando estiverem morando.

As opções incluem apartamentos e casas, em média, com 60 metros quadrados e em bairros como Taquara, Tomás Coelho, Engenho Novo, Del Castilho e Campo Grande, além dos municípios de Nova Iguaçu, Macaé, Mangaratiba e São Gonçalo.

Casa dúplex decorada, do Fiori, em Campo Grande, tem lazer completo | Foto: Divulgação

Casa dúplex decorada, do Fiori, em Campo Grande, tem lazer completo | Foto: Divulgação

As oportunidades contam com imóveis dentro e fora do programa habitacional ‘Minha Casa, Minha Vida’. As unidades podem ser financiadas em até 35 anos e o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) poderá ser usado, desde que o trabalhador se encaixe nas regras para saque. Os preços são a partir de R$ 115 mil.

“O conceito de apartamentos sob medida permite que famílias tenham a oportunidade de adquirir o imóvel próprio sem preocupações, sem perder o conforto. Nesse cenário, como o ‘Minha Casa, Minha Vida’, que permite a compra com juros mais baixos, todos podem ter a oportunidade de ter a casa própria com o máximo de lazer”, explica Leonardo Mesquita, diretor de Negócios da Cury Construtora no Rio.

Fachada do condomínio Completo Zona Norte, da Cury, que terá 279 apartamentos e itens de lazer como salão de festas, piscinas adulto e infantil | Foto: Divulgação

Fachada do condomínio Completo Zona Norte, da Cury, que terá 279 apartamentos e itens de lazer como salão de festas, piscinas adulto e infantil | Foto: Divulgação

A empresa tem 1.182 unidades pelo programa em vários bairros da cidade do Rio, como Engenho Novo e Tomás Coelho, e no município de São Gonçalo.

Mangaratiba e Macaé têm unidades

A Brookfield e a João Fortes também adotaram o conceito. Elas oferecem empreendimentos em Sahy, em Mangaratiba, e em Macaé. A Brookfield já lançou 1.767 unidades em Sahy, desde 2009. Desse total, apenas 424 estão disponíveis, com preços a partir de R$ 100 mil. Os condomínios contam com áreas de lazer próprias.

Já construtora João Fortes lançou a segunda fase do Residencial Brisa do Vale, pelo ‘Minha Casa, Minha Vida’, em parceria com a Prefeitura de Macaé. São 496 unidades dois quartos com ou sem suíte.

Campo Grande está em alta

Campo Grande é um dos bairros que reúnem vários projetos imobiliários com este conceito de residência sob medida. Construtoras como a Celta e a Fernandes Araujo oferecem empreendimentos que contam com imóveis de qualidade, lazer completo e segurança.

 Lazer do Riviera Premium, da Celta, em Campo Grande. Condomínio terá apartamentos de dois quartos com suíte | Foto: Divulgação


Lazer do Riviera Premium, da Celta, em Campo Grande. Condomínio terá apartamentos de dois quartos com suíte | Foto: Divulgação

O Riviera Premium Residences, da Celta Engenharia, por exemplo, tem 216 unidades. Preços a partir de R$ 199 mil. Serão apartamentos de dois quartos com suíte. O condomínio será construído na Av. Cesário de Melo 4.077.

Já a Fernandes Araujo acaba de lançar o Fiori Residências. Condomínio de casas dúplex com jardim e churrasqueira exclusivos, além da completa área de lazer. Os dois empreendimentos contam com financiamento da Caixa.

Zona Sul e Barra mantêm conceito de condomínios

Algumas regiões do Rio estão recebendo vários investimentos em infraestrutura por conta dos grandes eventos que a cidade sediará (Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016) e, por isso, têm atraído projetos imobiliários que se tornam viáveis para a nova classe média.

“O Rio está passando por um momento bastante peculiar, recebendo grandes eventos mundiais, que trazem investimentos maciços para a cidade. Nesse contexto e com o aumento do poder aquisitivo da população, novas áreas se valorizaram e vimos grandes oportunidades em lançar empreendimentos em regiões pouco exploradas”, explica Marcos Saceanu, diretor de incorporação da PDG Rio.

O objetivo da construtora é oferecer empreendimentos com a qualidade e conforto de imóveis da Zona Sul e Barra, mas com um preço mais acessível. “Os empreendimentos atraem não somente os moradores da região, que ganham uma opção de luxo no lugar onde já moram, mas também investidores que acreditam na valorização desses empreendimentos”, conclui Saceanu. Há unidades prontas em Campo Grande, com entrada de 15%, sem juros e o restante pode ser pago em até 120 meses, com mensais a partir de R$ 974.

Fonte: http://odia.ig.com.br/portal/imoveis/construtoras-focam-em-im%C3%B3veis-sob-medida-1.521855Z